Consignado: quem pode pedir carência?

Quem pode pedir a carência no empréstimo consignado?

Com a chegada do novo coronavírus ao Brasil, as recomendações de isolamento impactaram profundamente nossas vidas e, principalmente, a economia. Para evitar danos ainda mais profundos, os órgãos de governo e de saúde estão constantemente discutindo formas de minimizar estas consequências da pandemia.

E dentro dessas medidas, há algumas que podem impactar a oferta do consignado, já que ele é um importante meio de crédito para servidores públicos, aposentados e pensionistas do INSS.

Entre elas, a carência do pagamento desse tipo de empréstimo é uma das mais discutidas. Se você quer entender como funciona a carência e quem pode solicitá-la, basta continuar a leitura.

O que é um empréstimo com carência?

A carência de um empréstimo é um prazo entre o momento da contratação do serviço até o pagamento da primeira parcela. Ela pode ser oferecida em diversos tipos de empréstimos.

O objetivo de oferecer esse prazo adicional é para que o contratante do empréstimo tenha um período para pagar suas dívidas com o valor do crédito concedido e organizar suas finanças, para em seguida, arcar com o pagamento das parcelas com mais tranquilidade.

Oferecer a carência é opcional para os bancos, como um diferencial para atrair o cliente. Esse período não possui qualquer juros, pois não é considerado atraso e sim, um prazo negociado.

Como funciona a carência no consignado por causa da pandemia?

Como mencionamos no início do texto, os poderes executivos e legislativo estão discutindo a melhor forma de evitar que a população sofra mais impactos econômicos decorrentes da pandemia.

No momento, um projeto já foi aprovado para empregados de empresas privadas que possuam empréstimo consignado, desde que atendam às seguintes condições:

  • foi demitido durante a pandemia;
  • teve redução do salário ou suspensão do contrato;
  • testou positivo para Covid-19.


Período de bloqueio do consignado também foi reduzido

Após se aposentar pelo INSS, existe um período de 90 dias em que novos beneficiários não podem contratar um empréstimo consignado. Mas, no último dia 27 de julho, por meio da Instrução Normativa nº 107, o INSS reduziu esse período de bloqueio para o endividamento para 30 dias.

Ou seja, após o período de um mês os novos aposentados já podem solicitar um empréstimo consignado. Para estes, também foi criada uma carência de 90 dias para o pagamento da primeira parcela.

Algumas instituições oferecem produtos com as opções de 30, 60 e 90 dias de carência e o beneficiário pode fazer a escolha que melhor lhe atenda. É o caso da Olé Consignado.

A princípio, estas medidas estarão em vigor apenas enquanto durar o estado de calamidade pública estabelecido por decreto da presidência, que é até 31 de dezembro de 2020.

E quem ainda aguarda a aprovação para a carência?

Para servidores que não se encaixam nos requisitos acima e aposentados e pensionistas do INSS ainda não há mudança definida. Mas existem propostas, como o PL 1328/2020, que pede suspensão temporária das prestações do consignado pelo prazo de 120 dias.

Porém, vale lembrar que, se você está tendo dificuldade financeiras no momento, pode tentar uma negociação para adiar suas parcelas diretamente com seu banco, ou até mesmo buscar uma portabilidade de crédito, migrando para outra instituição que ofereça melhores condições para você.

Neste texto nós te explicamos como fazer a portabilidade de crédito – e como você pode pagar menos com ela.

ALGUMAS PUBLICAÇÕES QUE PODEM TE INTERESSAR