Poupança ou investimento: como fazer seu dinheiro render?

A crise motivada pela pandemia do novo coronavírus abalou a economia e pegou muita gente de surpresa. As recomendações de isolamento social e limite de circulação reduziram a oferta de emprego e limitou o orçamento de muitas famílias.

E é nestes momentos que muita gente se pergunta: como guardar dinheiro e fazer ele render, proporcionando uma receita extra? É comum tratar os termos economizar, poupar e investir como a mesma coisa, mas ele são diferentes. De maneira resumida, economizar é se esforçar para o dinheiro sobrar no fim do mês, poupar é guardar dinheiro e, finalmente, investir é aplicar esse dinheiro que foi poupado.

Mas, como aplicar esse dinheiro? Qual opção rende mais e com menor risco? Se esta é a sua dúvida, confira neste texto quais são as melhores opções para aplicar seu dinheiro.

Poupança

Aplicação mais popular do Brasil, a poupança é praticamente sinônimo de “guardar dinheiro”. Isso acontece principalmente porque não é preciso ter muito conhecimento para poupar, basta ter uma conta Poupança que a maioria dos bancos oferecem.

Porém, ela não é a melhor forma de investimento.

Isso porque, dependendo das flutuações da economia, os juros da poupança podem acabar sendo menor que a desvalorização da inflação. Logo, se o rendimento mensal da poupança não acompanha a inflação, esse dinheiro parado pode acabar perdendo valor com o tempo.

Tesouro direto

De forma bem simples, o Tesouro Direto é um investimento no Governo Federal. Quando você compra um título do Tesouro Direto, está na prática emprestando esse dinheiro para o estado investir em obras de infraestrutura, aquisição de equipamentos e outros projetos.

O governo paga esse “empréstimo” na data combinada, acrescido dos juros, que são o rendimento dessa aplicação. O valor mínimo para investir é bem baixo: a partir de R$ 100,00 você já pode comprar títulos do tesouro direto.

O risco também é baixo, já que esses papéis têm garantia do governo brasileiro. Diferentemente de pessoas físicas e empresas, o governo tem poder de emitir moeda para honrar suas obrigações.

CDB: investindo em bancos

Assim como o Tesouro Direto é uma espécie de “empréstimo” ao estado, o Certificado de Depósito Bancário (CDB) é uma forma de emprestar seu dinheiro a algum banco. Adquirindo um CDB, você está aplicando o seu dinheiro em uma instituição bancária, e ela poderá utilizá-lo para custear a suas atividades, como oferecê-lo em empréstimos e financiamentos para seus clientes.

Ao final do período acordado na contratação do CDB, você recebe o seu dinheiro de volta acrescido dos juros. A rentabilidade do CDB, geralmente, está atrelada ao prazo, por isso recomenda-se que um investimento em CDB seja de no mínimo 1 ano. Se você vai precisar desse dinheiro em breve, talvez não seja a melhor opção.

O CDB também possui um baixo grau de risco e complexidade porque é garantido pelo Fundo Garantidor de Créditos (FGC). O FGC é uma instituição privada, cuja missão é proteger investidores e evitar o risco de uma crise bancária.

Abrir seu próprio negócio

Sim, ter o próprio negócio é uma oportunidade de fazer seu dinheiro render e construir sua independência. Você pode trabalhar com o que realmente gosta ou, ainda melhor, transformar algo que você gosta em uma renda extra, usando o dinheiro que tem para abrir seu próprio negócio.

Confira o nosso artigo Abrir um negócio para aumentar a renda: tudo que você precisa saber.

ALGUMAS PUBLICAÇÕES QUE PODEM TE INTERESSAR